Jovens Pelo Naturismo Calendário e actividades da JPN e de outros clubes Informações sobre Naturismo Textos, crónicas, opiniões Participa no nosso fórum Links relacionados com Naturismo Contactos da JPN


O NATURISMO DE AMBOS OS LADOS DO ATLÂNTICO

    Para se saber qualquer coisa não há nada melhor do que perguntar! E foi exactamente isso que eu fiz! Queria saber se existiam muitas diferenças na forma como o naturismo é vivido e sentido em locais tão distantes como a América do Sul e a Europa, neste caso em concreto no Brasil e em Itália. 

    Tive a excelente colaboração de dois jovens, a Fernanda de 26 anos, que me respondeu do Brasil e o Roberto, de 31 anos que me respondeu de Itália. 

    Fernanda teve ouviu falar pela primeira vez sobre Naturismo na televisão aos 14 anos e a partir daí interessou-se e procurou saber mais sobre o assunto. Roberto teve um primeiro contacto mais “visual” com o Naturismo, pois foi numas férias em Sardenha com a família, que depois de uma grande caminhada pela praia, encontrou duas famílias holandesas naturistas que alegremente andavam por ali todos nús. Ficou curioso, quis saber mais! 

    Ambos demoraram alguns anos entre o terem conhecimento do Naturismo e o praticarem Naturismo. No caso da Fernanda, foi menos tempo, cerca de 8 anos, mas ela diz que sempre gostou de tomar banho nua no rio da fazenda do tio, enquanto que o Roberto não teve estas “facilidades” e apenas teve um contacto pessoal e directo com o Naturismo, 10 anos depois de ter visto naturistas pela primeira vez numa praia em Sardenha quando tinha 15 anos. 
Razões para isso? Roberto acha que se deve ao facto de viver no Norte de Itália, região muito conservadora e longe do mar, em que para além de não haver muitos locais para a prática do naturismo, teve que esperar até poder “decidir” que queria ser naturista e encontrar o ambiente certo para o fazer. 

    Em relação à companhia, ambos costumam praticar naturismo com os companheiros, mas a Fernanda, também pelo facto de viver num país mais quente, refere que é frequente encontrar-se com amigos e as suas famílias em praias naturistas. Para o Roberto isso já é uma situação mais complicada, pois nem a sua família, nem muitos dos seus amigos são naturistas. Enquanto Fernanda diz que pratica naturismo em casa, com a toda a família, Roberto diz que para ele isso seria impensável. 

    Tanto a Fernanda como o Roberto referem que apenas poucos dos seus amigos mais íntimos sabem que são naturistas, mas por diferentes razões. Para o Roberto, inserido numa região de Itália em que as mentalidades são fortemente conservadoras, é difícil partilhar com as pessoas que o rodeiam o facto de gostar de praticar nudismo social, num ambiente familiar e natural, e diz que até já perdeu bons amigos que não compreenderam esta sua forma de estar. Ao princípio, Roberto diz que sentia vontade de contar aos amigos e de os trazer consigo, mas agora apenas fala sobre o assunto com aqueles que demonstram algum tipo de interesse. Preferiu “guardar” só para si e transformar o naturismo num segredo seu, para não ver este conceito deturpado e mal compreendido pelas mentalidades menos abertas. Em relação a Fernanda, ela optou por não tornar demasiado público o facto de ser naturista por questões meramente profissionais, pois é professora e o facto de praticar nudez social podia não ser bem encarado pelos pais e mal compreendido pelas crianças. 

    Quando questionados se já tinham conseguido fazer com que alguém aderisse ao naturismo, a Fernanda refere que para ela não foi muito difícil convencer os amigos e que eles se tornassem naturistas convictos, e em relação aos mais jovens, defende que os principais argumentos a serem apresentados para que eles adiram ao naturismo, é o facto de aprenderem que o corpo humano é igual em todos os seres humanos, que passa pelo mesmo tipo de transformações ao longo da vida e que todos passamos por várias fases que têm que ser encaradas com naturalidade. Roberto por seu lado, apenas conseguiu mostrar e fazer compreender todos os benefícios do naturismo a um casal amigo, que agora é naturista, mas pratica muito mais no estrangeiro do que em Itália. Em relação aos jovens, e porque sentiu que foi o que lhe fez falta, Roberto pensa que se lhes deve explicar que no meio naturista todos os corpos são aceites naturalmente e que com as suas diferenças e semelhanças, todos somos respeitados e não julgados por termos ou não as “formas” que o mundo material nos impõe. 

    Falando das diferenças homens/mulheres em relação à forma como vivem o naturismo, ambos acham que as mulheres vivem o naturismo de uma forma mais intensa e mais séria. Fernanda diz que as mulheres são sempre mais relutantes em relação aos homens, a entrar numa “onda” naturista, mas que depois de sentirem o naturismo a sério, que as mulheres se entregam mais e vivem mais intensamente a questão da sua própria nudez. Roberto é exactamente da mesma opinião, pois refere que sendo as mulheres menos aventureiras nas questões de se despirem em frente aos outros, quando decidem fazê-lo, conseguem fazê-lo com mais naturalidade que os homens, porque estes, mesmo sem serem naturistas, podem estar semi-nús em diversos locais sem que exista alguma tipo de censura social. 

    Fazendo uma comparação entre o Naturismo em Itália e no Brasil, penso que o Brasil está neste momento, como diz a Fernanda, a atravessar “uma revolução” francamente positiva nos assuntos relacionados com o Naturismo, pois começou-se agora a falar do assunto de uma forma séria e a ser divulgado nos media segundo uma abordagem mais consistente e respeitosa. Em relação a Itália e pelo que me apercebi nas várias conversas que tive com o Roberto, na região onde ele vive, ainda existe muito o tabú da nudez social, que as mentalidades ainda não estão suficientemente “disponíveis” para compreender um conceito tão básico como é a própria nudez e o saber partilhá-la num ambiente familiar e saudável. 

    Por último, deixo aqui uma frase de cada um dos nossos colaboradores que mostra o significado que o Naturismo tem para eles: 

Fernanda: “O Naturismo para mim é a concretização da liberdade que todo o ser humano procura. Me sinto mais próxima às pessoas e muito mais feliz.” 

Roberto: “Quando estou nú, sinto-me invencível pois estou em comunhão com a Natureza, faço parte do Universo, sem filtros!”

Liliana

eXTReMe Tracker